Dor em arte!

E aí, família?! Infelizmente, a sociedade insiste em nos impor padrões de beleza, né?! Apesar de todas os esforços, ainda falta muuuito para conquistarmos a liberdade que precisamos – e é por isso que amar a si mesmo é um ato revolucionário nos dias de hoje! O fotógrafo Peter DeVito sofreu durante anos com comentários maldosos até que em um momento decidiu transformar sua dor em arte. É inspiração pra lá de empoderadora, daquelas pra gente levar pra vida! Vem ver!

Peter DeVito era alvo de comentários maldosos devido as marcas de acne em sua pele. Foi a partir dessas experiências que o fotógrafo teve a ideia de elaborar um projeto fotográfico que o ajudou a superar o trauma,  se sentir representado e amar (ainda mais) o seu corpo!

pj 2

O fotógrafo reuniu pessoas com diferentes condições que afetam a estética de seus rostos, como marcas de nascença, vitíligo, albinismo ou simplesmente sua descendência e marcou a pele dos fotografados com os comentários maldosos que eles já ouviram sobre sua aparência e pediu que eles escrevessem a mão suas respostas ao que lhes foi dito. A combinação de texto e fotos criou uma série emocionante, questionando o quanto julgamos alguém pela sua pele e como comentários podem ferir indivíduos.

Keenan Javon’s, um dos fotografados, aparece em uma imagem com a frase “você não pode ser negro”.

“Como um afro-americano albino, não é estranho ser encarado, apontado e chamado por nomes desagradáveis”, explicou Javon. “Quando era mais novo, costumava deixar a ignorância das pessoas afetar o jeito que vivia. Não saia muito em público ou socializava com alguém novo ou fazia amigos. Conforme fui ficando mais velho, percebi que não posso deixar a opinião de outras pessoas validar o que acho de mim mesmo, porque todos vão sempre ter uma opinião.”

Já Yun Gao traz estampada no rosto a frase “todos parecemos iguais”.

“Nós não parecemos iguais. Todos são diferentes e únicos. As pessoas não deveriam ser racistas e dizer que todos os asiáticos se parecem. Todos nascemos para sermos nós mesmos.”

E na bochecha de Amy o comentário maldoso “Ninguém vai se casar com você com essa pele”.

“Se eu nunca me casar por causa do meu vitiligo, ficaria bem  com isso. Ter vitiligo me ensinou tanto sobre mim e o que ‘beleza’ realmente é. Me amo apesar do vitiligo e se você não consegue (me amar), então você não me merece. Nunca vou me desculpar por ser quem eu sou.”

A série completa está disponível no Instagram do fotógrafo. Vale conferir!

Beijos

Awa Guimarães

fimdepost

Deixe aqui seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s