POSE, para celebrar o mês do orgulho LGBTQ+!

E aí, família?! Estamos em meio às celebrações do mês do orgulho LGBTQ+ e a comunidade tem recebido destaque ímpar no universo cinematográfico! No início do mês, o canal FX lançou nos Estados Unidos a première da nova série produzida por  Ryan Murphy — nome por trás de produções como Glee e American Horror Story. Ainda não há confirmação de estreia no Brasil, mas vale a gente ficar por dentro dessa história. Vem ver!

 

Pose é uma série que retrata em detalhes o cenário artístico ligado ao boom da cultura dos bailes – ou balls – LGBTQ+ de NY, nos anos 80 — época de gravação do documentário icônico Paris is Burning, de Jennie Livingston e reconhecida por intensa marginalização e pressão social imposta à comunidade gay  – decorrente, sobretudo, do advento do HIV do início dos anos 80.

pose1
ENTERTAINMENT WEEKLY /DIVULGAÇÃO

Dividida em oito capítulos, para sua 1ª temporada, a série conta com a história de Blanca, papel da atriz MJ Rodriguez, nova-iorquina transexual que deixa sua casa após ser diagnosticada com HIV e decide fundar uma “house” (inspirado no termo fashionista) para abrigar e oferecer apoio aos jovens rejeitados por suas famílias, eventualmente nomeada House Evangelista – rival da House Abundance. Exatamente como vemos em documentários e filmes, onde a cada baile as casas se enfrentam com desfiles temáticos ou competições de dança. Mas não é só isso.

FX's POSE_101_2549r.JPG
“MOTHER” ELEKTRA ABUNDANCE, INTERPRETADA POR DOMINIQUE JACKSON | FX/DIVULGAÇÃO

O brilho e poder dos bailes são contextualizados com questões reais da época (e até hoje) como a ascensão do luxo nos Estados Unidos ao inserir a história de Patty (Kate Mara) e Stan (Evan Peters), funcionário da Trump Tower e chefiado por Matt (James Van Der Beek).

pose3-682x1024
ENTERTAINMENT WEEKLY /DIVULGAÇÃO

O diretor, conhecido por suas obras engajadas, faz profunda imersão nesse universo ao evidenciar os clubes onde os bailes aconteciam, a figura do narrador que ditava as “categorias” – influência notável em RuPaul’s Drag Race –, as gírias, a representação do vogue (estilo de dança nascido com os bailes do Harlem, em Nova York, e essenciais para a história da comunidade até hoje) e, claro, o figurino exuberante, que conta até com peças garimpadas em brechós assinadas pela Versace, Lacroix e Mugler.

pose-roof-shot-hi-res-sized
HAILIE SAHAR, DOMINIQUE JACKSON, INDYA MOORE, ANGELICA ROSS E MJ RODRIGUEZ EM ENSAIO PARA VOGUE US DE JUNHO/2018 | CRÉDITOS: NIGEL SHAFRAN

Além de fazer um grande favor à sociedade, por tocar em pontos político-sociais, Pose vai na contramão da realidade imposta e se destaca por ser uma produção com o maior elenco transgênero na história da televisão, com cinco atrizes transexuais negras e um time de 140 pessoas LGBTQ+ envolvendo escritores, cineastas e produção. Afinal, valorizar o trabalho de quem luta pela causa pode ajudar a romper as barreiras do preconceito e reivindicar direitos – o que tem tudo a ver com o tema desse ano da Parada do orgulho LGBT de São Paulo: Eleições 2018 – “Poder para LGBTI+”. Devido ao anos das eleições, espera-se conseguir visibilidade e muita discussão sobre candidatos que realmente se interessam pelas causas LGBTs.

Confira um dos trailers divulgados abaixo:

Os lucros da série, por fim, serão revertidos inteiramente à organizações ligadas à comunidade LGBTQ+ escolhidas e divulgadas por Ryan Murphy. Braaavo!

Beijos

Awa Guimarães

fimdepost

 

 

Deixe aqui seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s