Fashion Transparency

E aí, família?! Há um tempo que a gente vem discutindo e questionando o impacto da indústria da moda em nosso meio, né?! Na verdade, desde o início desse ano resolvi dar maior importância e visibilidade ao meu propósito de valorizar empresas que criam um impacto positivo no meio em que atuam. Somos responsáveis por nossas escolhas, comprar uma roupa significa comprar uma cadeia de valores e relacionamentos. Ter essa consciência é fundamental para mudar nossa realidade. Sei que não estou sozinha nessa luta, essa transformação de consciência é atribuída também à atual geração, chamada de Millennials, que dá maior importância a “causa” em vez do “lucro”. Mas falta muito ainda, precisamos mostrar ao mundo que a mudança é possível através da celebração dos envolvidos na criação de um futuro mais sustentável e criar conexões exigindo transparência. Mas porque essa transparência é tão fundamental? Eu te conto, vem comigo!

Já pensou quem fez essa blusa que você veste agora? Imagina aí: o vendedor, passando pelo costureiro até chegar no agricultor que cultivou o algodão que dá origem aos tecidos. Viu só?! A compra é apenas o último passo de uma longa jornada que envolve centenas de pessoas. Existe sim, uma força de trabalho invisível por trás das roupas que vestimos e, muitos, sofrem com os aviltamentos aos direitos humanos e trabalhistas. Trabalhadores da indústria do vestuário que enfrentam longas horas de jornada, baixos salários e falta de segurança, é real em nossos dias. No processo de produção, também encontramos alguns obstáculos que geram impactos negativos para o meio ambiente. Descarte indevido de materiais têxteis, uso desordenado de químicos e desperdício de fontes naturais. É família, sem transparência, a realidade do termo “sustentabilidade” se torna cada vez mais distante. A transparência é o fio condutor que nos levará até lá.

p55_ropa_limpia_02
(Google/Reprodução)

Com a transparência o consumidor passa a ser responsável por sua escolha. Consumimos com a consciência de quem eu apoio e como diretamente colaboro para o crescimento do mesmo. Para alguns, essa consciência foi gerada a partir da mudança de hábitos alimentares e bem estar: vegetarianismo, slow food, senso de comunidade, conexão com a natureza,…. Para outros, ela veio na mudança de valores, no despertar de novos padrões, respeito ao próximo e ao meio. Mas, sem dúvida, a moda sabe refletir uma transformação de comportamento na sociedade, como nenhuma outra área.

Após o desabamento do edifício Rana Plaza em Bangladesh, no dia 24 de março de 2013, surgiram iniciativas como o movimento global Fashion Revolution, que desde 2014 incentiva mais transparência, sustentabilidade e ética na indústria da moda. De fato, grandes marcas ícones do fast fashion estão revendo suas políticas de comunicação com o público a respeito de suas práticas sociais e ambientais com fornecedores e trabalhadores.

dhaka_savar_building_collapse
Colapso do Rana Plaza em 2013, em Bangladesh (Wikimedia Commons/Reprodução)

Enfim, temos que manter ativa uma revolução por uma moda melhor e diferente do que tem sido para os seres vivos e para o planeta: eticamente sustentável, socialmente mais justa e economicamente viável. Menos do que isso é condenar a Terra a um futuro sem tecido social, apodrecida por milhões de toneladas de lixo têxtil, dos quais 170 mil toneladas são geradas anualmente pelo Brasil (Abit, 2017).

Então, use sua voz e seu poder para mudar a indústria da moda. Juntos vamos transformar a realidade desse mundão!

Beijos

Awa Guimarães

fimdepost

 

 

 

 

Deixe aqui seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s