Nomes de peso!

E aí, família?! Estou de volta! Depois de uma SPFW intensa, o descanso no feriado foi mais que merecido, né?! A semana será curta, mas tem muita coisa boa pra gente conferir! Vem ver!

No último domingo (29.04) teve o encerramento do Tribeca Film Festival, que trouxe grandes lançamentos no universo de documentários. Entre as estreias, além do documentário sobre a vida de Alexander McQueen, um de maiores gênios da história da moda — que já trouxe com detalhes aqui para vocês — o mundo da moda foi contemplado, com mais duas produções que trataram diretamente de nomes de peso no meio. 

Foi quando Rihanna usou um vestido amarelo canário bordado à mão no Met Gala em 2015, que todo o mundo ficou conhecendo Guo Pei. Mas, desde a sua infância, ela já havia aprendido uma importante lição: o amarelo não era uma cor para os “comuns” e, sim, apenas reservada ao imperador chinês à época — daí o título Yellow is Forbidden para o documentário que desdobra sobre a sua carreira.

riri-met

O longa retrata o início de Pei como couturière, passando pelo vestido usado por Rihanna até a apresentação icônica em sua passarela couture de verão 2017, seu terceiro desfile como membro da Chambre Syndicale de la Haute Couture, de Paris. Com um olhar notável para detalhes e mistura de formas de arte visual, a produtora Pietra Brettkelly, ao longo do caminho, revela o mix de forças opostas que confrontam o trabalho de Guo: “as da tradição versus a modernidade; aceitação versus preconceito; e garantir um negócio próspero versus buscar técnicas mais caras e exclusivas”.  No entanto, Guo prospera em meio a esses desafios, e não há como negar, ela já provou ser capaz e segue lutando por sua arte. Com fidelidade amorosa ao trabalho de Guo, Brettkelly retrata o processo e a moda em si, resultando em um exame oportuno do que é necessário para um desconhecido receber aclamação de uma das instituições mais temíveis do Ocidente. 

Já o editor contribuinte da Vogue America, Andre Leon Talley tem sua carreira na moda e expertise na indústria explorados no documentário The Gospel According to Andre, dirigido por Kate Novack.

Screen-Shot-2014-09-19-at-1.31.09-PM-e1411158735938

O doc começa na Carolina do Norte, nos anos 40 e 50 onde Talley foi criado. Sua amada avó, Bennie, criou-o, ensinando-o em decoro, religião e, sem surpresa, roupas, provocando um amor precoce e poderoso por todas as coisas. Depois de revisitar sua infância, o documentário passa a abordar a sua carreira ao lado de Andy Warhol, nos anos 1960, até a sua chegada na Vogue, onde foi editor-at-large até 2013, e culmina com a eleição e posse de Donald Trump. E, claro, o filme está cheio de “Andréismos”, como Wintour os chamou no filme. Inconfundível em sua estatura real, seu jeito ferozmente original com as palavras e seu conhecimento histórico incomparável de alta-costura!

Beijos

Awa Guimarães

fimdepost

Deixe aqui seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s